domingo, 5 de agosto de 2007

Como descobrir o local de origem do antepassado italiano (parte 1)

O primeiro passo é perceber em si mesmo uma essencia italiana.
Muitas vezes isso começa com o sobrenome, que nao parece muito brasileiro... Mas às vezes pode ser também pela aparencia fìsica ou pelos costumes, pelo jeitao da famìlia etc.
Entao vem a curiosidade, e o assunto surge (entre amigos ou principalmente em famìlia), e enfim aparece a constataçao da descendencia italiana.

"Opa, sou descendente de italiano(s)."
Tudo bem. Mas...
E daì?

Hà quem se orgulhe de ser descendente de italiano(s) e hà quem nao se orgulha disso.
Hà quem se interessa mais e começa a fuçar e hà quem nao liga a mìnima.

Quem se interessa mais e começa a fuçar, descobre que por ser descendente de italiano(s), tem o direito à cidadania italiana. E aì hà uma nova subdivisao: entre os que começam a pesquisar para ter o reconhecimento da cidadania italiana e os que nao se preocupam em ter a cidadania italiana.

Dentre esses que começam a pesquisar hà outra bifurcaçao: entre os que (quando tiverem a cidadania italiana reconhecida) vao querer se beneficiar dela para sair do Brasil e os que querem a cidadania somente por orgulho pròprio. Dentre os que querem se beneficiar para sair do Brasil hà quem quer viver na Itàlia (para vivenciar a propria origem familiar, descobrir o que é ser italiano) e quem quer usar o passaporte italiano para conseguir entrar em outros paìses sem problemas (afinal a Italia faz parte da Uniao Europeia).

A motivaçao de cada um nao vem ao caso aqui.

Este post é para passar algumas dicas para quem està descobrindo que é descendente de italianos. Para aqueles que ainda nao sabem como fazer para identificar o local exato de origem do antepassado (ou ainda para aqueles que nem sabem ainda quem é o antepassado).

Pois entao, vamos là:

O primeiro passo, para descobrir a origem do antepassado italiano mais pròximo, quando sabemos que somos descendentes de italiano(s) mas ainda nao temos outros detalhes, é conversar com os familiares/parentes mais velhos. A começar pelos pais e principalmente avos. Seria òtimo encontrar aquele tio/aquela tia, que é dos mais idosos da famìlia, sabe? Daqueles que guardam os documentos mais antigos da famìlia etc.
Dependendo da famìlia, sò isso jà basta para descobrir o local de origem.
Na maioria dos casos, porém, o màximo que conseguimos com essas conversas é o nome de um lugar (como aliàs aconteceu comigo). Tipo, "ah, o seu bisavo? Ele veio de Padoa".
A grande maioria dos italianos que emigraram ao Brasil era composta de semi-analfabetos, pessoas simples, do campo. E no momento de registro, na chegada ao Brasil, forneciam (como local de origem) o nome que lhes parecia mais evidente, mais conhecido, isto é, o nome da provincia. Eles nao costumavam fornecer o nome do vilarejo propriamente dito (vilarejos esses que naturalmente se desenvolveram e se tornaram as atuais cidades italianas).
Acontece que a divisao administrativa italiana nao é como a brasileira, e assim sendo a confusao começa.
Quase todas as provincias italianas tem o mesmo nome da cidade que lhes serve de capital.
E todo o serviço de registro civil (ou seja, a identificaçao das pessoas), é feito localmente pelas cidades, e nao pela provincia.

Se a pessoa que escutou daquela tia idosa que o antepassado veio de "Padoa" for pesquisar, vai descobrir que "Padoa" quer dizer Padova, e que Padova é o nome de uma provincia e também de uma cidade (a capital da provincia).
Outra coisa, quando o emigrante italiano chegava ao Brasil, ele pensava que falava a lingua italiana, mas na verdade falava o dialeto local (por isso que a tal tia idosa disse "Padoa" e nao Padova; ela mesma escutou dos pais dela "Padoa" ao invés de Padova...). E essa é uma longa història (talvez para um outro post).
Entao, a pessoa interessada deve pesquisar se o antepassado veio de Padova cidade ou de uma outra cidade da provincia de Padova...
E cada provincia italiana contém umas cem cidades, mais ou menos...

9 comentários:

Anônimo disse...

Escreva mais!!!

Anônimo disse...

E se a tal tia idosa nao saber nada ou quase nada?

Barin disse...

Entao voce deverà ler a parte 2, hehe.

Anônimo disse...

Meu bisavô disse aos filhos que veio de CASA LEBANIA (Itália). Veio em meados dos século XVIII com 16 anos de idade após cair num sorteio para servir ao exército durante um guerra, talvez.
Após ser sorteado, fuigiu para o Brasil. O nome dele era:
- Alexandre Francisco Américo ou simplemente Francisco Américo.
Junto com ele, vieram outros italianos para o sertão da Paraíba.
Os outros italizanos tinham os nomes de Francisco Antunes, Braz Finizola...

Douglas Daniel disse...

Cara, valeu mesmo... ajudou bastante... Mas tenta começar a escrever com "acento agudo", e não creaseando todas as sílabas tonicas..
pqp...

Barin disse...

Na Italia o teclado e'... italiano.
E o teclado italiano nao tem o acento agudo. Por isso o acento ao contrario. Porque foi escrito por alguem que morava na Italia e digitava usando o teclado italiano.

Alias, essa explicacao consta neste proprio blog, no post de apresentacao.

E que tal tentar usar menos reticencias?
Nao por mim, pois eu priorizo o conteudo e nao a forma, mas para pessoas do tipo "pqp...".

Anônimo disse...

no meu caso foi meu bisavô que veio da italia, minha tia avô e meu tio avô não sabem de que cidade ele nasceu na italia...

Anônimo disse...

e bem dificil entender de onde somos pena q minha vo ja morreu

Eliana guimaraes pereira disse...

Como posso descobrir a nacionalidade de meu avô , só por nome